Ministério orienta projetos de formação de agentes populares

MMA acompanha 12 projetos de formação de agentes populares. Um deles, em Guarapuava (PR), foi visitado pelo Ministério nesta semana.

Formar agentes populares de educação ambiental na agricultura familiar, desenvolver campanhas de educação ambiental voltadas à sustentabilidade no meio rural, implantar projetos comunitários de educação ambiental e capacitar executores.

Técnico dando orientaões

  Técnico dando orientaões

Essas são as metas de 12 projetos, espalhados pelo País,      financiados pelo Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA) e  acompanhados pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Os projetos acompanhados pelo MMA fazem parte do edital do  Fundo de nº 01/2013. As instituições encontram-se na primeira  etapa do processo que prevê a formação de 150 agentes populares   por projeto.

Um desses projetos é o “Semeando Saberes”, da Prefeitura de    Guarapuava (PR), que está executando esta primeira meta por   meio do incentivo de adoção de práticas produtivas sustentáveis e tecnologias sociais.

O projeto já realizou reuniões com as comunidades beneficiadas, oficinas participativas e um seminário com ciclo de palestras sobre os seguintes temas:

  • educação ambiental;
  • espaços e instrumentos de gestão pública;
  • participação e controle social de políticas públicas;
  • agricultura familiar;
  • revolução verde;
  • segurança e soberania alimentar;
  • práticas produtivas sustentáveis
  • tecnologias sociais.

 

Está para ser publicado, ainda no primeiro trimestre de 2015, material didático sobre esses temas.

Realidade Local

O analista ambiental do Departamento de Educação Ambiental do MMA, Alex Bernal, visitou o projeto de Guarapuava e participou de oficinas técnicas sobre gestão integrada de recursos hídricos e conservação da biodiversidade.

“A viagem possibilitou conhecer mais de perto a realidade socioambiental vivida pelos educandos. Pude visitar assentamentos e verificar alguns dos desafios que as comunidades enfrentam para garantir uma vida digna no meio rural”, avalia Bernal.

Dentre os desafios está o de realizar recuperação ambiental em áreas de produção de alimentos e controlar a contaminação das plantações por agrotóxicos. Desafios levantados durante as visitas aos assentamentos Nova Geração e Paiol de Telha.

Bernal destaca que muitos alunos e seus familiares já vêm buscando novas formas de intervenção socioambiental. “Os alunos, a maioria jovens, vêm se apropriando da temática ambiental, o que tem lhes possibilitado outras perspectivas de produção e de interação com o meio ambiente”, destaca.

Edital FNMA

A Associação de Umbanda e candomblé de Codó e Região, no Maranhão, é outra instituição contemplada. Eles desenvolvem o projeto “Boitatá” (o significado vem do folclore do Norte: cobra de fogo que protege as matas e os animais).

Já foram realizados dois grandes workshops para mais de 230 jovens. Os jovens vêm de comunidades quilombolas dos municípios de Codó, Peritoró e Timbiras (MA).

Lyara Apostolico, coordenadora do projeto, destaca que os jovens afirmaram que foi a primeira vez que tiveram a oportunidade de participar de algo tão importante e transformador. “A logística foi um imenso desafio, pois a ideia é chegar aonde ninguém chega.

Algumas comunidades são isoladas por rios, obrigando o uso de barcos e balsas”, conta Lyara. Ela enfatiza que o resultado tem sido gratificante. “A participação dos jovens quilombolas foi extraordinária. Após diversas dinâmicas de identificação dos problemas que mais afetam as comunidades, houve intensas discussões sobre os desafios e potencialidades destas comunidades, e o tom geral foi de entusiasmo com a realização do projeto”.

Conheça as instituições com projetos contemplados:

1) Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (AM)

2) Prefeitura Municipal de Guarapuava (PR)

3) Governo do Estado de Mato Grosso (MT)

4) Prefeitura Municipal de Sinop (MT)

5) Secretaria de Meio Ambiente da Bahia (BA)

6) Prefeitura Municipal de Maracanaú (CE)

7) Prefeitura Municipal de Piquet Carneiro (CE)

8) Associação de Umbanda e Candomblé de Codó e Região (MA)

9) Universidade Federal do Vale do São Francisco (PE)

10) Universidade Federal de Juiz de Fora (MG)

11) Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (MG)

12) Instituto Socioambiental (SP)

Fonte: Ministério do Meio Ambiente

Agradecemos seu comentário e opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s